Artigo: O Orgulho de volta a Salvador

artigo-o-orgulho-de-volta-a-salvador_04-07-14_max

Viva 2014, o ano da Copa do Mundo! Nossa Salvador será um dos palcos. Em 1950, quando o Brasil também foi sede da disputa mundial, a nossa cidade ficou de fora, porque as obras da Fonte Nova não foram concluídas a tempo. Naquela época, não havia ainda televisão no Brasil. A pioneira TV Tupi só seria inaugurada no dia 18 de setembro, depois da Copa.

Quer dizer, o mundo ainda não estava de olho na pelota rolando de pé em pé na direção do gol. Melhor assim. A tragédia do Maracanã com a derrota do Brasil para o Uruguai na final da Copa teve seu impacto reduzido na aldeia global, sem a transmissão ao vivo das imagens pela tevê.

Agora a história é diferente. O “complexo de vira-lata”, como definiu Nélson Rodrigues o fracasso brasileiro, foi superado com a chegada do Rei Pelé. O Brasil é o maior campeão da história das Copas. É penta! E tem tudo para alcançar o hexacampeonato na Terra Brasilis.

O espetáculo futebolístico vai ser transmitido para mais de cinco bilhões de terráqueos via tevê, internet etc. Salvador vai estar nas telas, telinhas e telões. Muita gente de todos os cantos do mundo vai desembarcar aqui. A Primeira Capital do Brasil, sob a liderança do prefeito ACM Neto, está se preparando para mais esse grande momento.

O Réveillon de 2014 já marcou o reencontro do povo com a sua cidade. O sorriso voltou a brilhar na face dos soteropolitanos ao assistirem seus artistas expressarem o talento que brota da fértil Boa Terra. A diversidade musical de Saulo, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Pablo traduziu a riqueza da baianidade na chegada do ano novo. “O artista é a antena da raça”.

Salvador reencontra o seu destino de cidade hospitaleira, alegre, cordial e da boa gente, que trabalha se divertindo na festa. Com sua batuta, o maestro ACM Neto comanda uma orquestra que se afina com esse objetivo. Honra-me a oportunidade de trabalhar para minha terra. Por isso, afinado com os ideais do prefeito, venho tocando a Secretaria Municipal de Urbanismo e Transporte com muita dedicação e coragem.

Para mudar é preciso coragem. Quando o prefeito me destinou a missão de cuidar do espaço e da mobilidade urbana de Salvador, sabia que coragem não poderia me faltar para enfrentar o difícil desafio. Um ano depois, a constatação é de um balanço bastante positivo.

Neste curto período, conseguimos instituir o Bilhete Único e o Domingo é Meia. Foram duas medidas históricas que tornaram mais acessível o transporte coletivo, barateando as passagens e possibilitando a reestruturação das linhas, causando maior frequência dos ônibus nos pontos e mais conforto e velocidade nos deslocamentos. Mais avanços virão com a licitação do sistema de transporte coletivo em andamento. A nossa orla será outra em 2014, a começar pela Barra. Enfim, nós, soteropolitanos, estamos voltando a ter orgulho de Salvador.

Artigo originalmente publicado no jornal CORREIO no dia 8 de Janeiro de 2014