Artigo publicado no jornal A Tarde: Educação Nota Zero

artigo-educacao-nota-zero_02-09-14_max

Terra natal de Anísio Teixeira, o maior educador brasileiro, a Bahia não tem sido um terreno fértil à educação de qualidade. Muito pelo contrário. Nos últimos anos petistas o que se observa é a queda da avaliação baiana no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). No campo educacional, estamos iguais à dupla Ba-Vi no Campeonato Brasileiro de Futebol, ocupando as últimas colocações. Lamentável.

Se no futebol a recuperação pode se dar de forma bem rápida, com os nossos times ainda este ano podendo evitar o rebaixamento, a educação exige um processo bem mais demorado até porque existem entraves de ordem ideológica que emperram a evolução de nosso ensino público. Afinal, nenhum pensador exerce tanta influência no PT como o italiano Antônio Gramsci.

Influenciados pelo pensamento do filósofo Nicolau Maquiavel, os ensinamentos de Gramsci, a partir da década de 1960, foram paulatinamente colocados em prática no Brasil. Entre as propostas gramscianas, estavam mudanças de valores travestidas de senso comum e de um historicismo absoluto com o objetivo de criar iluminados e reais condutores da história. Essa ideologia atingiu diversos setores que difundem a informação, porém, um merece destaque, a educação.

Como Gramsci estava mais interessado na reformulação da educação básica do que na persuasão racional, não é de espantar que o maior estrago do PT tenha acontecido exatamente nesse setor. Nossa educação básica, fundamental e superior tem virado uma grande formação de militância esquerdista. O filósofo francês Pascal Bernardin explicou esse fenômeno no mundo ocidental, que tem n Brasil o país onde ele foi mais difundido. O nome da sua obra, não poderia ser mais sugestiva: “O Maquiavel pedagogo”.

Não é a toa que hoje ocupamos os últimos lugares nos rankings de qualidade de educação. No mês passado a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) colocou o Brasil em 35° lugar em qualidade na educação em um ranking de 36 países. O Brasil ficou à frente apenas do México. Assim como a segurança, o problema da educação nos governos do PT vem de princípios e valores ultrapassados. A abordagem é ideologizada quando o modo de entendimento deveria ser a gestão eficiente de desempenhos e metas.

Não há dúvida que faltam recursos e professores bem remunerados à nossa educação. Temos escolas precárias, carentes de materiais básicos e sem instrumentos adequados às necessidades dos novos tempos. Mas temos outro grande problema que nem sempre é solucionado apenas com dinheiro: a qualidade no ensino, que só será resolvida com uma nova abordagem.

Há necessidade premente de tratar a educação de qualidade como um direito das pessoas e não um braço do partido. Precisamos resgatar o mérito e a qualificação dos nossos profissionais de ensino. Tratá-los com respeito e, o mais importante, oferecer-lhes remuneração digna da sua importância. Faz-se necessário resgatar urgentemente o orgulho de ser professor.

Questionar é preciso. Quando existem questionamentos o patrulhamento petista logo se encarrega de xingamentos. “A classe media é fascista”, como disse a ideóloga do PT Marilena Chauí ao lado de Lula, cujo vídeo pode ser visto no youtube. A arrogância da esquerda tem histórico. O líder comunista Stalin não me deixa mentir, quando falou: ”As ideias são muito mais poderosas do que as armas. Nós não permitimos que nossos inimigos tenham armas. Por que deveríamos permitir que tenham ideias?”.

É preciso exigir qualidade no nosso ensino. Qualificação em nome da educação de qualidade. O quadro educacional da Bahia é de fazer o educador Anísio Teixeira se revirar no túmulo. É uma afronta ao legado dele, que desenvolveu em Salvador a revolucionária experiência da Escola Parque. Infelizmente a realidade baiana se retrata no último Ideb, quando quatro das 10 piores escolas brasileiras do ensino público foram localizadas na Bahia. Assim como na segurança pública, o governo do PT é campeão no ranking dos piores na educação.

Artigo originalmente publicado no jornal A Tarde do dia 02/09/14