Aleluia defende reformas para tornar aposentadoria e previdência social mais justa

Deputado José Carlos Aleluia

Acompanhado do vereador Alexandre Aleluia (DEM) durante a coletiva na manhã desta terça-feira (17), no Teatro Gregório de Mattos, onde o prefeito ACM Neto anunciou as novidades para o Carnaval de Salvador deste ano, o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM) prestigiou a apresentação dos detalhes da maior festa do planeta.

Perguntado sobre as principais reformas que tramitam no Congresso Nacional sob a nova fase de um governo reformista declarada pelo próprio presidente Michel Temer, o deputado Aleluia informou algumas medidas em discussão no parlamento.

“A primeira reforma trata da questão da limitação dos gastos públicos aprovada como emenda constitucional, a conhecida PEC 241 aprovada na Câmara dos Deputados que se transformou em PEC 55 aprovada também no Senado. Agora, estamos discutindo a garantia da aposentadoria. Voce não pode deixar que uns se aposentem com 50, 55 anos e outros não possam se aposentar nunca. Nós vamos fazer uma reforma sim para tornar mais justa a aposentadoria e previdência social. E a outra reforma é trabalhista. Da maneira como está hoje, a justiça do trabalho está sendo a justiça do desemprego”, critica Aleluia ao afirmar que apoia a decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia de apresentar a matéria em regime de urgência. O próprio presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) é favorável a reforma porque não dá para continuar do jeito como está. As empresas não querem contratar porque sabem que contrato cria um problema”, conta Aleluia.

O parlamentar aproveitou ainda para declarar apoio a reeleição do atual presidente da Camara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o mandato de dois anos.

Entre outras coisas, Aleluia manifesta sua defesa pela preservação da Igreja do Bonfim como patrimônio da cidade.

“A Igreja é um patrimônio histórico, cultural e religioso, um patrimônio da cidade e não tem recursos próprios para manter. Portanto, há uma previsão no orçamento da União em que o deputado pode colocar emenda para a preservação do patrimônio. Foi assim que fiz e eu tenho a absoluta certeza que esse não será o único. Fiz esse ano R$ 600 mil e para o próximo ano, se necessário, farei mais”, garante o deputado.

Matéria originalmente publicada na TV Servidor